A Importância da Mídia e Televisão ao Retratar Saúde Mental

Nos últimos anos, muitos adolescentes e jovens adultos acharam um grande interesse em séries de televisão, uma das maiores fontes de entretenimento do mundo. E nessa nova era em Hollywood, filmes e séries estão tentando falar sobre assuntos relevantes e de certa forma “tabus”. Um desses tabus que não era falado por muito tempo é a saúde mental.

Por muito tempo quando se falava em terapia e doenças mentais muitas pessoas na sociedade pensavam imediatamente em pessoas loucas, mas na vida real não é bem assim. Portadores de distúrbios psicológicos vivem normalmente como qualquer outro ser humano, só que eles carregam consigo um grande peso que é o seu transtorno.

A mídia é um dos maiores recursos de informações e, querendo ou não, séries e filmes também. Mas, a maioria das vezes, eles retratam assuntos de forma incorreta e isso faz com que o público acredite em coisas que não são sempre certas.

Em 2017 a Netflix lançou a série 13 Reasons Why (Os 13 Porquês), série que foi baseada em um livro best seller de Jay Asher, que fala sobre uma jovem, Hannah Baker (Katherine Langford), que cometeu suicido e deixou pra trás treze fitas cassetes falando sobre as treze razões, e pessoas, que a fizeram cometer suicídio.

Quando a série foi anunciada, vários psicólogos e psiquiatras alertaram sobre os efeitos que ela poderia ter em pessoas com depressão e pensamentos suicidas. Mas mesmo assim a Netflix lançou os treze episódios da primeira temporada.

Para quem não assistiu a série eis um resumo do que acontece: A serie acontece em dois tempos, o passado e o presente. O passado, que é narrado pela própria Hannah através das fitas, mostra a vida dela e o que realmente aconteceu para faze-la se matar. Clay (Dylan Minnette), um amigo de Hannah recebe as fitas pelo correio e, durante semanas, ele ouve sua amiga explicar detalhadamente tudo que aconteceu de ruim com ela.

Hannah passou pelo ruim e o pior durante sua vida e, ao meu ver, os criadores colocaram todas as razões pela qual alguém cometeria um suicídio ao invés de falar da forma correta como a depressão realmente ocorre. Durante a série podemos ver Hannah sofrer bullying, ser assediada, humilhada e estuprada, sem falar da cena polemica que acontece no último episódio da temporada. A cena do suicídio.

Em episódios onde acontecem coisas que podem ser consideradas “sensíveis”, a produção da série colocou avisos no início de episódios com esses temas, falando que pessoas com depressão e pensamentos suicidas não deveriam assistir sozinhos aos episódios.

Infelizmente esses avisos não ajudaram muito, como dizem pesquisas feitas sobre o impacto dela em jovens. No Peru, Franco Alonso Lazo Medrano, de 23 anos, se matou e deixou áudios, igual a série, falando o porquê se suicidou. Uma pesquisa feita pela Universidade de Michigan, nos EUA, com 87 jovens entre 13 e 17 anos de idade que já foram atendidos no Serviço de Emergência Psiquiátrica.

“Nosso estudo não confirma que o programa esteja aumentando o risco de suicídio, mas sim confirma que, definitivamente, deveríamos estar preocupados sobre seu impacto em jovens vulneráveis”, afirma Victor Huang, diretor de psiquiatria na Faculdade de Medicina da Universidade de Michigan.

48,8% afirmaram que a série aumentou seus “riscos de suicídio”. Um dado que a pesquisa também mostrou é que 81% dos que assistiram a série preferiam comentar com os amigos oposto dos 35% que preferiam conversar com seus pais.

“A série tem sido um verdadeiro fenômeno, especialmente entre adolescentes. A maneira como ela retrata o suicídio vem levantando preocupação entre pais, profissionais da saúde e educadores. Os dados do nosso estudo demonstraram que os jovens com mais risco de cometerem suicídio, não procuraram a ajuda dos adultos. Eles assistiram a série sozinhos e conversaram com amigos, mas não procuraram ajuda dos pais, professores ou conselheiros das escolas”, explicou Huang.

Entretanto, ainda há as pesquisas que mostram como os adolescentes tem mudado depois do lançamento da série. Em redes sociais como twitter, jovens lançaram a hashtag #nãosejaumporqque que conscientiza pessoas a repensarem em suas ações e no mal que elas podem causar à outras pessoas.

Para o público, 13 Reasons Why é uma série maravilhosa e super viciante ou uma série controversa que é um péssimo exemplo de saúde mental. Porém, querendo ou não, essa série realmente começou uma conversa sobre depressão. Se 13RW mostrou corretamente como é viver com depressão e o que leva alguém cometer suicídio? Muitas pessoas que são fãs da série acham que sim, mas a maioria das pessoas que sofrem com distúrbios mentais acham que não, e eu também.

13 Reasons Why volta com sua terceira temporada ainda esse ano.

Deixe um Comentário

12 − onze =

Entre em contato

Ei, precisa conversar comigo? Me mande um e-mail que te retornarei assim que puder!

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt